31 agosto 2006

A cada parto...

Pois isso das "oligarquias" do Nordeste, em particular, do que (nos) interessa malhar aqui, do RN, é dos principais motivos porque tudo continua quase igual ao tempo das capitanias hereditárias. É dizer, daquelas criadas pelos patrícios, pelos idos de 1500.

Desde a "independência"(do Brasil), a tradição de permanência de um pequeno grupo no poder, foi passada de geração em geração até os dias de hoje. A principal diferença sendo a nomenclatura: os patrícios deram lugar aos maurícios, que por sua vez, dividem-se em Alves e Maias. Movimentos de raiz independente desses ramos surgiram décadas/séculos depois, gerando PFLs, PLs, PCBs, PDTs e um magode de outros partidos mais (agrupamentos ou bandos organizados, segundo como se mire a coisa).

Slogans eleitorais sempre foram utilizados, particularmente em época de campanha, utilizando-se um grupo de palavras conhecidas que mexe com o moral da gente - a exemplo da bandeirinha americana mostrada em filmes de ação, após um momento de superação pessoal e de conquista individual para o bem-comum da nação. Essa mesma gente, os eleitores (também conhecidos por "gado"), que apesar de não ser Yankee, sente isso ao ver um filme Hollywoodiano e fica com os pelos do "covo" (aquela zona...) em riste, sente in a pavlovian way, o mesmo ao ouvir essas mensagens durante os discursos "eleitoreiros".

Dessa forma, os herdeiros dos (eternos?) clãs dominantes regionais justificam à comunidade, através de sua aplicação em campanha, os seus cursos feitos(?) nas UnP´s da vida (sejam em Natal ou em Londres); ainda que tais frases de marketing provenham de algum CDF que por 3 tostões (ou Narjaras-Turetas) trabalhem como assessores. Sobre esse tema, convém uma futura dissertação a respeito dessa praga que prolifera em todo e qualquer tipo de seLviço público (conhecido por grupinhos de Piff Paff do Estado - com "E"!).

Dando uma pausa neste texto (já bastante largo), retiro-me fazendo alusão à canção titânica "Hereditário". Bom voto!

(continua)

Um comentário:

Biu do Olho Verde disse...

Titãs - Hereditário

A cada parto
A cada luto
A cada perda
A cada lucro
O sol que dura, só um dia
A cada dia, o sol diário
Contra o que for hereditário.
Contra o que for hereditário.

Em cada mira
Em cada muro
Em cada fresta
Em cada furo
O sol que nasce, a cada dia
A cada aniversário
Contra o que for hereditário
Contra o que for hereditário
Contra o que for hereditário