28 novembro 2006

MECÃO!

Quem acompanha e gosta de futebol, sabe que o América de Natal (mais conhecido como MECÃO) está de volta à primeira divisão depois de 8 anos, após empatar com o Atlético Mineiro (depois de estar perdendo por 2 a 0) em pleno Mineirão !!! Ainda não soube de nenhum registro de morte por infarto de algum ABCedista raivoso que ficou tirando o couro dos americanos durante uma semana aqui em Natal (dizendo que o time ia levar uma pemba bem roliça do Atlético), mas com certeza, deve ter havido.

Como é muito óbvio eu colocar no Blog um post e algumas fotos em homenagem ao grande MECÃO, resolvi fazer o contrário e homenagear o ABC Futebol Clube...

ps: tem alguma graça nisto??? No post não, mas no hino do clube! hahaha



ABC clube do povo
Campeão das multidões
Serás sempre o mais querido
Pelos nossos corações
Eu me orgulho ser da terra potiguar
Quando vou para o gramado
Ver o ABC jogar

É bola p´ra aqui
É bola p´ra lá
A turma joga com classe
E com raça pra ganhar
O adversário fica no campo perdido
Salve, 19 o mais querido

21 novembro 2006

Eu simplesmente odeio o Carnatal!!!

Ah, que maravilha o carnatal... lugar de gente bonita e sarada, muitos bem nascidos, outros nem tanto, porém todos embriagados por um dever quase cívico de "arrochar as doidinhas"! Lugar de gente que, sem um pingo de espontaneidade de um carnaVal de verdade (aquela festa mundana em homenagem à carne, compreendida entre o Dia de Reis e a Quaresma), se desmancha em uma alegria artificial de quem está ali para mostrar que é "in" (mais conhecido por essas bandas como o antônimo de "malhado"), num desfile patético de futilidades e quase opulência!

Certa vez me perguntaram o porquê da minha irritação com tal festa. E eu respondi, e respondo agora, é que, se não encontro argumentos contra, ou, se os encontro eles são considerados bestas e frágeis por gente que se acha dotado de alguma estranha superioridade, tampouco consigo imaginar um argumento a favor!!!

Bem, antes de continuar este texto e expressar toda minha ira contra esta festa, uns esclarecimentos são sempre necessários...

Primeiro, e mais importante, é óbvio e evidente que expresso minhas opiniões e escrevo este texto, por pressuposto lógico, dentro da minha ótica e concepção de vida. Portanto, não há "certo" nem "errado", há a MINHA POSIÇÃO e o resto que se foda. É inacreditável como alguém ainda questiona e me chama de "leso" ou algo que o valha pelo fato de eu ter um discurso pronto e algumas observações negativas a respeito do evento! Definitivamente, concordem ou não, este sou EU, o carnaTal PRA MIM é uma merda e assim caminha a humanidade.

Em segundo lugar, tenho por convicção que o ser humano, em sua própria concepção de ser social, é um idiota, salvo honrosas exceções. Dentro deste contexto, não há razão para eu achar que só idiotas frequentam esta festa. Imbecil existe em tudo o que é canto, em rodeio, vaquejada, shows de rock, micareta e na Igreja Universal. No cinema, na fila do banco e na praia surfando. Essa coisa maniqueísta do bem e do mal, do certo e do errado, não deve ser levado a sério. Portanto, longe de mim achar que quem não vai a festa ou curte rock é legal pra caralho e quem veste um abadá é um idiota...

Assim, agora que bem entendido que não estou a rotular ninguém, não preciso explicar que, por exemplo, o que eu disse no primeiro parágrafo não se aplica a todos os participantes desta porcaria! Seria extremamente ingênuo dizer isto e muito chato ter que explicar isto, por ser de uma obviedade incrível!!!

Voltando aos festejos fora de época em si, eu sempre me pergunto o que me levaria a entrar num bloco vestido com uma roupa de viado, ouvir música que não gosto (em volume ensurdecedor), sair acompanhando coreografias ridículas e ainda por cima me relacionar com um bocado de gente (fútil) enchendo a cara, pra tentar arranjar uns beijos de boca a qualquer custo? Utilizando um pouco de raciocínio lógico, eu não uso roupa de viado, não ouço Axé, não tô afim de dançar a "dança da manivela" nem imitar singelamente a boca de um jacarezinho batendo um braço no outro, tampouco sei me relacionar direito com gente fútil e não estou desesperado atrás de beijos! Estas razões são mais do que suficientes pra mim.

Sabe, eu passo o ano inteiro evitando gente que se liga em coisas inúteis pra mim, que possuem valores muito diferentes dos meus, que puxam assuntos que não me interessam. Exemplos? Pessoas que só sabem falar como é potente aquele carro novo, como foi massa a vaquejada no fim de semana e como conseguiu voltar embriagado dirigindo o carro. Tenho ojeriza a quem possui aqueles sons ultra-mega potentes nos carros, àqueles que fazem racha, aos que possuem corpos sarados e se comportam como "jiu-jitsers" e àqueles que dão mais valor à conta bancária do sujeito do que ao sujeito em si, seguindo a regra número 1 dos bem nascidos e endinheirados que fazem parte de uma casta. Tenho aversão a todos estes tipinhos inúteis e não há nenhuma razão para que eu, por livre e espontânea vontade, me veja inserido ao lado de dezenas ou centenas deles de uma vez só! Sim, tenho plena convicção que existe uma grande porcentagem de pessoas assim dentro de um bloco de Carnatal, esfregando-se uns nos outros na tentativa de se dar bem com uma mulher, se divertindo nos melhores dias do ano (para eles)... E, por outro ângulo, não preciso "pagar pra ver" que lá dentro existem pessoas muito bacanas (existem sim), mas creio que lá não é o lugar adequado nem o tipo de festa para se divertir com quem eu gosto.

Por fim, há um outro aspecto nesta festa nojenta que me faz torcer as tripas... o povão, mais conhecido como "ralé", é renegado a um plano inferior, ou, em outras palavras, deixado do lado de fora das cordas (exceto aqueles que a estão segurando, trabalhando e se divertindo (?) por uns trocados no fim da festa)! Ok, podemos dizer que eles fazem parte da festa também, mas há uma completa dissociação do que vem a ser o espírito carnaValesco, onde todos literalmente se misturam, numa alegria fugaz, como diria Chico Buarque, uma ofegante epidemia!

No carnaval de rua, em sua época própria, não existem muitas regras nem horários pra começar e acabar. É a maior festa popular do Brasil, quiçá do mundo. É espontâneo, é do povo. Esta bomba chamada "carnaval fora-de-época" é apenas um arremedo de alegria, uma festa de plástico, onde vale o que você aparenta, restrita a uma pequena parcela da população que se dispõe a pagar caro pra se divertir numa festa patética e segregada.

Portanto, não há a mínima chance de um dia eu entrar numa merda dessas... tenho já traçado meu plano de fuga da cidade, não tô afim de ouvir nem os zumbidos dos trios! Parabéns a quem não se importa com tudo o que eu falei e entra de cabeça nesta joça. Quem sabe sou eu que realmente não sei me divertir??? Mas acho que prefiro assim...

17 novembro 2006

Imagem da semana

Desde que comecei a escrever este Blog, comecei a perder preciosos minutos do meu dia pensando em merda. A bem da verdade, sempre pensei em muita merda e falo outras tantas, mesmo sem precisar de um "birinaite" pra isso! Só que agora tenho um espaço para compartilhar com "não-sei-quem" e com outros amigos camaradas bem conhecidos de outras paradas... de qualquer forma, conhecidos ou não, os pitombeiros de plantão que já acessaram esta joça mais de 2000 vezes me fazem cada dia mais forte na minha missão de difundir besteira!

Bem, falei isto tudo só pra apresentar a imagem mais merda da semana! E eu, como um bom falador de bosta, digo a vocês que eu fico chocado com a babaquice de seres humanos que se fantasiam de cachorro pra ficar parecido com o seu cãozinho! E tem até um concurso pra isso.

Bem, alguém pode me dizer qual a graça disso? Qual será o prêmio? Será que algum negão foi vestido de doberman? E quando alguém ganha, será que o adversário diz "parabéns, você realmente você está seu cachorro escritinho". Grande booooosta!!!

ps: Há quem diga que nasci pra falar bosta, há quem ache que tenho talento para isso, há quem me ache leso e há quem me ache... sei lá porra, não estou preocupado.


15 novembro 2006

UP-DATE DA RAPARIGAGEM

:P
Mais uma derrota da raparigagem potiguar em Ponta Negra...

Fonte: Diário de Natal - 14/11/2006

Justiça nega liberdade a italianos da Ilha da Fantasia


O Tribunal Regional Federal, em Recife, que julga os processos de segunda instância da Justiça Federal do Rio Grande do Norte, negou liberdade para os italianos suspeitos de fazer parte de uma máfia que levava mulheres de Natal para prostituição na Europa. A decisão do tribunal foi divulgada na tarde de segunda-feira passada pelo serviço da internet do TRF.

Os italianos Giuseppe Ammirabile, Salvatore Borrelli, Paolo Quaranta, Vito Ferrante, Simone de Rossi e Paolo Balzano estão presos desde novembro de 2005 quando foram alvo de uma operação da Polícia Federal que combatia a utilização do bairro de Ponta Negra como endereço para esquemas de lavagem de dinheiro, tráfico internacional e interno de mulheres, estelionato, falsidade ideológica, crimes contra o sistema financeiro, quadrilha armada, porte ilegal de armas e casa de prostituição.

Os italianos são suspeitos de pertencerem a uma máfia chamada Sacra Corona Unita, sediada na Itália. Em Natal eles eram proprietários da boate Ilha da Fantasia, que durante muitos anos foi um ícone do sexo turismo desenfreado que se estabeleceu em Ponta Negra a partir da década de 90.

O advogado de defesa dos italianos, Iran Padilha, defende a tese de que eles devem ser libertados porque o prazo legal de 101 dias de suas prisões preventivas já extrapolou, pois estão presos há mais de um ano sem o julgamento.

O Tribunal Federal de Recife acatou os argumentos da Justiça de primeiro grau em Natal, que pôs a culpa da demora do processo na complexidade da avaliação dos nove volumes de provas contra os acusados. Os desembargadores, porém, recomendaram à Justiça Federal de Natal que dê a sentença num prazo máximo de 30 dias, pois entendem que o processo já está completo e aguardando apenas o julgamento final de cada réu.
...

13 novembro 2006

Roteiro Gastronômico - COBRA CHOCA

Para começar a série "Roteiro gastronômico", nada mais adequado do que falar do nosso querido Cobra Choca, ali no Bairro das Quintas (dizem que já é no bairro Nazaré, mas tanto faz).

- Nome: Cobra Choca
- Endereço: vá pela Av. Miguel Castro até a Avenida 9, pegue à direita. No segundo quarteirão, entre na rua de frente a uma loja de peças e saia perguntando!
- Especialidade: comidas pesadas (picado, bucho, porco, dobradinha, ensopados etc e tal)
- Peculiaridade: todo cliente é carinhosamente tratado como "cobra choca", daí o nome do bar ("vai querer o quê cobra choca???")


O Bar Cobra Choca (foto da rua ao lado) é feito exclusivamente para gente sem frescura, tanto pela localização (você tem a impressão que está chegando numa cidade do interior) quanto pelo cardápio! A quantidade de comida é bastante generosa (servem duas ou três pessoas tranquilamente) e quase todos os pratos vêm acompanhados de macaxeira. O cardápio é bastante variado e os pratos baratos, entre 8 e 12 reais. Confesso que não tive coragem de pedir o "ensopado de arraia", coisa que nunca tinha visto antes, por isso ficamos no "picado de carneiro" (quando vi "a cara" do prato, fiquei pensando na arraia) e duas "tainhas"!

O único problema é que o ambiente é um pouco quente. De resto, tudo foi 100%. No fim, foi engraçado ouvir o garçom dizer que a conta deu "24 mirréis"!

Por tudo isso, o COBRA CHOCA é o que há de mais moderno! Vale a pena conferir. o Pitombaz recomenda !

Fotos: 1) picado de carneiro; 2) mesa; 3) as tainhas; 4) ambiente familiar


12 novembro 2006

UMA POR DIA


Às vezes "uma das". Uma ode à deusa. E morram na mão! Vinte chibatadas (peia de negão, ao estilo dinamarquês) pr'aqueles que não souberem o seu nome.

10 novembro 2006

NOVIDADES NO FRONT

Depois do sucesso astronômico do nosso querido Blog (um pouco de propaganda enganosa não faz mal a ninguém), eu e Biu do Olho Verde resolvemos iniciar uma nova série de posts sobre o "ROTEIRO GASTRONÔMICO" da cidade de Natal.

Sim, vamos elaborar um guia super útil dos "melhores" bares e restaurantes da cidade, como por exemplo, o Bar do Motoqueiro, Cobra Choca e Bar do Kú. hehe

Se você nunca foi nem teve curiosidade de degustar deliciosos pratos e petiscos desses bares fuleiros, nem nunca teve coragem de entrar no Bar da Jia, está na hora de deixar de pantim! Afinal, não há nada de errado nestes muquifos, errado está você que é fresco.

E antes que alguém questione ou duvide, eu não estou usando a expressão "muquifo" de forma pejorativa e nem vou falar mal destes lugares. Ao contrário, o nosso intuito é enaltecer e divulgar esses maravilhosos recantos onde se come bem, geralmente em quantidade de prato de pedreiro! Lugares onde você pode falar alto e rir à vontade, ir de chinelo, tirar até a camisa e chamar o garçom com um assobio pra pedir uma "gela". Não precisa botar paninho no colo, nem tampouco limpar a boca. Usar palito não vai ser mal educação.

Então... logo logo nossa primeira dica! Vocês não perdem por esperar...

ps: em tempo, pra não dizerem que sou "do contra", é muito bom frequentar restaurantes chiques de verdade... de preferência pra impressionar uma moça pra ver se rola um priquito depois!

BAILE DAS KENGAS

:P
Depois de falar do "Beco da Lama", de "Monga (a mulher que vira macaco)" e do "Bloco dos Cão", levante o dedo quem sentiu falta do "Baile das Kengas"! Aquele baile famoso, índices altíssimos de afrescalhamento, ponto de encontro da "viadagi" potiguar. É literalmente um "baile de gala"! Ui!

Já disse num post anterior que Natal é uma cidade baitola, disso eu tenho plena convicção. A quantidade de fresco aqui é enorme, não é preciso muito esforço para verificar isto, é só você andar nos lugares certos (pra muitos é andar no lugar errado).

De qualquer forma, sou totalmente a favor dessas manifestações que costumam fugir do convencional e, sem nenhuma frescura (nem trocadilho), dou o maior valor ao BAILE DAS KENGAS! Viva a fulêragi e a liberdade de expressão!









...

07 novembro 2006

Carnatal chegando... Carnatal chegando... o que é motivo de alegria para muitos cidadãos potiguares, pra mim é motivo de quase ódio. Tenho verdadeira ojeriza a este tipo de festa, por isso a saída é pegar a BR 101 e ir pra qualquer lugar onde não se ouça nem o zumbido dos trios elétricos e só voltar depois que a Prefeitura dê uma limpada nas ruas, absurdamente mal cheirosas de mijo de foliões fora-de-época!

Um texto maior sobre essa lambança carnatalesca ainda está sendo germinado, seguindo o que já fez o meu amigo Galego de Campina.

O motivo deste post, na verdade, é não deixar passar em branco uma notícia relevantíssima pra sociedade natalense: nesta semana desembarcou em Natal o grande cantor e compositor Ricardo Chaves, para participar das comemorações dos 15 anos do Bloco "Bicho Papão" !

E daí??? Daí eu lembrei-me que a Câmara Municipal de Natal, que certamente tem muito assunto pra tratar, deu o título de cidadão natalense ao cantor!


E aí cabe a pergunta: o que este cidadão, que possui uma veia poética tão refinada, fez de relevante pela cidade de Natal, além do verso "é o bicho, é o bicho / vou te devorar / crocodilo eu sou" ???

Fico por aqui! Afe!

01 novembro 2006

Pense numa resposta!

Se tem uma pessoa que não vale uma pitomba podre é um colunista chamado Diogo Mainardi, que escreve para a revista Veja.

Ele tentou marcar uma entrevista com Marco Aurélio Garcia, o coordenador da campanha de Lula, o que foi prontamente recusado. Achei a resposta negativa tão bacana que resolvi colocar aqui! Depois dessa eu pedia pra cagar e ia embora.

Diogo Mainardi:

Prezado Marco Aurélio Garcia,

Eu gostaria de entrevistá-lo por cerca de quatro minutos para um podcast da Veja. O assunto é a imprensa. Eu me comprometo a não cortar a entrevista. Ela será apresentada integralmente.

Muito obrigado, Diogo Mainardi


Marco Aurélio Garcia

Sr. Diogo Mainardi,

Há alguns anos - da data não me lembro - o senhor dedicou-me uma coluna com fortes críticas.

Minha resposta não foi publicada pela VEJA, mas sim, sua resposta à minha resposta que, aliás, foi republicada em um de seus livros.

Desde então decidi não mais falar com sua revista.

Seu sintomático compromisso em não cortar minhas declarações não é confiável.

Meu infinito apreço pela liberdade de imprensa não vai ao ponto de conceder-lhe uma entrevista.

Marco Aurélio Garcia.

O link é:

http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1225751-EI6578,00.html