21 novembro 2006

Eu simplesmente odeio o Carnatal!!!

Ah, que maravilha o carnatal... lugar de gente bonita e sarada, muitos bem nascidos, outros nem tanto, porém todos embriagados por um dever quase cívico de "arrochar as doidinhas"! Lugar de gente que, sem um pingo de espontaneidade de um carnaVal de verdade (aquela festa mundana em homenagem à carne, compreendida entre o Dia de Reis e a Quaresma), se desmancha em uma alegria artificial de quem está ali para mostrar que é "in" (mais conhecido por essas bandas como o antônimo de "malhado"), num desfile patético de futilidades e quase opulência!

Certa vez me perguntaram o porquê da minha irritação com tal festa. E eu respondi, e respondo agora, é que, se não encontro argumentos contra, ou, se os encontro eles são considerados bestas e frágeis por gente que se acha dotado de alguma estranha superioridade, tampouco consigo imaginar um argumento a favor!!!

Bem, antes de continuar este texto e expressar toda minha ira contra esta festa, uns esclarecimentos são sempre necessários...

Primeiro, e mais importante, é óbvio e evidente que expresso minhas opiniões e escrevo este texto, por pressuposto lógico, dentro da minha ótica e concepção de vida. Portanto, não há "certo" nem "errado", há a MINHA POSIÇÃO e o resto que se foda. É inacreditável como alguém ainda questiona e me chama de "leso" ou algo que o valha pelo fato de eu ter um discurso pronto e algumas observações negativas a respeito do evento! Definitivamente, concordem ou não, este sou EU, o carnaTal PRA MIM é uma merda e assim caminha a humanidade.

Em segundo lugar, tenho por convicção que o ser humano, em sua própria concepção de ser social, é um idiota, salvo honrosas exceções. Dentro deste contexto, não há razão para eu achar que só idiotas frequentam esta festa. Imbecil existe em tudo o que é canto, em rodeio, vaquejada, shows de rock, micareta e na Igreja Universal. No cinema, na fila do banco e na praia surfando. Essa coisa maniqueísta do bem e do mal, do certo e do errado, não deve ser levado a sério. Portanto, longe de mim achar que quem não vai a festa ou curte rock é legal pra caralho e quem veste um abadá é um idiota...

Assim, agora que bem entendido que não estou a rotular ninguém, não preciso explicar que, por exemplo, o que eu disse no primeiro parágrafo não se aplica a todos os participantes desta porcaria! Seria extremamente ingênuo dizer isto e muito chato ter que explicar isto, por ser de uma obviedade incrível!!!

Voltando aos festejos fora de época em si, eu sempre me pergunto o que me levaria a entrar num bloco vestido com uma roupa de viado, ouvir música que não gosto (em volume ensurdecedor), sair acompanhando coreografias ridículas e ainda por cima me relacionar com um bocado de gente (fútil) enchendo a cara, pra tentar arranjar uns beijos de boca a qualquer custo? Utilizando um pouco de raciocínio lógico, eu não uso roupa de viado, não ouço Axé, não tô afim de dançar a "dança da manivela" nem imitar singelamente a boca de um jacarezinho batendo um braço no outro, tampouco sei me relacionar direito com gente fútil e não estou desesperado atrás de beijos! Estas razões são mais do que suficientes pra mim.

Sabe, eu passo o ano inteiro evitando gente que se liga em coisas inúteis pra mim, que possuem valores muito diferentes dos meus, que puxam assuntos que não me interessam. Exemplos? Pessoas que só sabem falar como é potente aquele carro novo, como foi massa a vaquejada no fim de semana e como conseguiu voltar embriagado dirigindo o carro. Tenho ojeriza a quem possui aqueles sons ultra-mega potentes nos carros, àqueles que fazem racha, aos que possuem corpos sarados e se comportam como "jiu-jitsers" e àqueles que dão mais valor à conta bancária do sujeito do que ao sujeito em si, seguindo a regra número 1 dos bem nascidos e endinheirados que fazem parte de uma casta. Tenho aversão a todos estes tipinhos inúteis e não há nenhuma razão para que eu, por livre e espontânea vontade, me veja inserido ao lado de dezenas ou centenas deles de uma vez só! Sim, tenho plena convicção que existe uma grande porcentagem de pessoas assim dentro de um bloco de Carnatal, esfregando-se uns nos outros na tentativa de se dar bem com uma mulher, se divertindo nos melhores dias do ano (para eles)... E, por outro ângulo, não preciso "pagar pra ver" que lá dentro existem pessoas muito bacanas (existem sim), mas creio que lá não é o lugar adequado nem o tipo de festa para se divertir com quem eu gosto.

Por fim, há um outro aspecto nesta festa nojenta que me faz torcer as tripas... o povão, mais conhecido como "ralé", é renegado a um plano inferior, ou, em outras palavras, deixado do lado de fora das cordas (exceto aqueles que a estão segurando, trabalhando e se divertindo (?) por uns trocados no fim da festa)! Ok, podemos dizer que eles fazem parte da festa também, mas há uma completa dissociação do que vem a ser o espírito carnaValesco, onde todos literalmente se misturam, numa alegria fugaz, como diria Chico Buarque, uma ofegante epidemia!

No carnaval de rua, em sua época própria, não existem muitas regras nem horários pra começar e acabar. É a maior festa popular do Brasil, quiçá do mundo. É espontâneo, é do povo. Esta bomba chamada "carnaval fora-de-época" é apenas um arremedo de alegria, uma festa de plástico, onde vale o que você aparenta, restrita a uma pequena parcela da população que se dispõe a pagar caro pra se divertir numa festa patética e segregada.

Portanto, não há a mínima chance de um dia eu entrar numa merda dessas... tenho já traçado meu plano de fuga da cidade, não tô afim de ouvir nem os zumbidos dos trios! Parabéns a quem não se importa com tudo o que eu falei e entra de cabeça nesta joça. Quem sabe sou eu que realmente não sei me divertir??? Mas acho que prefiro assim...

4 comentários:

Sissi disse...

Adorei!!! Nunca ninguém traduziu o que sinto em relação ao Carnatal tão bem. É uma festa idiota feita pra pessoas mais idiotas ainda. Em relação ao retorno financeiro, creio que se traz alguma divisa para o Estado, o bolo maior fica com as bandas, que na maioria são de fora do Estado. Ou seja, organizamos a festa mas o lucro maior não é nosso. Que idiotice...

diego disse...

bom, muito bom! isso msm!!! esta merda um dia acabaaaa

Fernando disse...

isso me fez lembrar de uma musiquinha que eu não sei quem é o autor mas la vai...

"Como uma pessoa
pode ser feliz?
Da 300 reais
pra no final do ano
Sair correndo atraz
De um caminhão?
Chapadão!
Do Carnatal (2x)
Idiotice!" (4X)

Dr. Split Climatização Profissional disse...

Seguinte: O Carnatal é uma festinha de merda que só interessa a maia duzia de empresários que ficaram ricos explorando a idiotice de uns bostas que acham que o Carnatal é uma grande festa. Essa porra deveria acontecer na via costeira sem atrapalhar a vida da cidade. A MAIORIA da população não participa. Ou seja, isso não é da cultura potyguar. Musica de baiano, ritmo de baiano e que não interessa mesmo ao povão do RN. Deveria acabar, perdeu a graça